Kenseiden – Samurais e Demônios num Clássico da Sega

O Master System foi sem sombra de dúvidas um dos meus consoles mais queridos. A Tec Toy fez um trabalho louvável com o console da Sega no Brasil, popularizando a cultura de video games de uma maneira pouco vista na época do Atari, com propagandas em revistas e televisão, serviço de suporte via telefone (Hot Line! Lembro de ter ligado lá pra pegar o password do horrível Alex Kidd in High Tech World – desculpas antecipadas aos que gostam deste jogo) e até o Sega Club (do qual eu tinha a carteirinha, ainda que nunca tenha usado pra nada). Os tempos eram outros: eu particularmente não lembro de ter visto qualquer jogo pirata de Master System – se queriamos experimentar jogos novos, alugávamos. Aliás, bons tempos de aluguel de jogos – passar na locadora e conversar com um bando de malucos que gostavam das mesmas coisas que você, experimentar jogos que você não compraria hoje nem piratas, ficar na fila para conseguir alugar os Block Busters… A locadora era “uma arma mais elegante para tempos mais civilizados”, como diria um antigo mestre Jedi.

Dentre meus jogos preferidos de Master System, um que nunca falta nas minhas listas é Kenseiden (que pode ser traduzido como “A Lenda da Espada Sagrada” ou “A Conjuração da Espada Sagrada” se você quiser algo mais épico), de 1988. Nunca tive Kenseiden, mas me arrisco a dizer que eu fiquei mais com o cartucho que o meu vizinho que o comprou (abraço Thiago!).

Ambientação

Kenseiden se passa no Japão na época dos Samurais (século XVI). O jogador assume o papel de Hayato, um Samurai que possui sangue de Dragão correndo por suas veias, e deve recuperar cinco pergaminhos lendários e a espada do Senhor Dragão. Para isso deve enfrentar demônios e espíritos do folclore japonês através dos estágios que percorrem as antigas províncias japonesas.

Gameplay

Kenseiden é um jogo de plataforma que remete um pouco aos games da série Castlevania da Konami – obstáculos e inimigos que tentam te derrubar em buracos, cenários mais sinistros e inimigos com padrões de movimentação diversificados, exigindo estratégias diferentes para serem derrotados.

A movimentação é tão fluida quanto a dos melhores jogos desta plataforma. Não seria exagero dizer que a jogabilidade de Kenseiden é bastante fluida, desde que situada no contexto do Master System.

As fases, embora sejam de maneira geral curtas, oferecem bastante desafio. Cada pulo deve ser bem estudado antes de executado (sobretudo nas fases de cachoeira, onde uma infinidade de pedregulhos ficam caindo do céu, enquanto inimigos camuflados na água tentam te pegar de surpresa).

Os mestres, ainda que sejam poucos (6), podem ser bem chatinhos de matar, e o estudo dos seus padrões de movimentação é obrigatório para conseguir chegar ao fim do jogo. A cada mestre derrotado, Hayato ganha um novo poder, que varia desde pulo mais alto até variações dos golpes da Katana.

Ambientação

Diferentemente da maior parte de outros jogos da mesma época, Kenseiden é bastante sombrio, evitando muito cair em designs mais caricatos para inimigos e cenários. É possível ver referências claríssimas à cultura oriental em todos os cantos, seja pela arquitetura, seja pelos Budas gigantes e principalmente nos Bosses. Se Kenseiden não prima por riqueza de detalhes nos cenários, também não peca por poluição visual, trazendo informação desnecessária na tela.

As músicas, ainda que poucas, são todas muito boas. A temática oriental foi respeitada também nas canções do jogo, mescladas com uma game-music rápida e tensa, que dita o ritmo do jogo. Não se sinta mal se depois de jogar meia hora de Kenseiden você ficar com as músicas da primeira e segunda fases na cabeça.

Considerações Finais

Embora haja relativamente pouco o que se falar sobre Kenseiden, esse jogo merece muito ser relembrado – principalmente quando se estiver falando em Master System e, por quê não, retro-gaming de maneira geral. Ainda que a Sega nunca mais tenha tocado no universo de Kenseiden, não é incomum ver fãs de Master System reclamando a ausência de uma continuação para esse clássico da geração 8 bits.

Colocando os pés no chão, Kenseiden é um jogo que deve manter o apelo mais para quem o jogou na época do Master System que para alguém que o conheceu agora (diferente de jogos atemporais como Super Mario Bros. ou Sonic). Mas de qualquer forma é um jogo obrigatório para quem se interessa pela história dos games e o 8 bits da Sega.

Kenseiden é um jogo da Sega exclusivo para o Master System. Se você tem um abaixo assinado pedindo pra Sega fazer uma continuação de Kenseiden, me avisa que eu assino.

Anúncios

Streets of Rage – Briga de Rua

Algumas semanas atrás recebi o meu Sonic’s Ultimate Genesis Collection, uma coletânea com alguns dos principais clássicos do Genesis (ou Mega Drive, se você não estiver nos EUA) elaborados pela própria Sega. Dentre os clássicos, é possível destacar a coleção do Sonic (1,2,3, Spinball, 3d Blast e Knuckes), a coleção do Phantasy Star (do 1 ao 4) e a coletânea dos Streets of Rage (1,2 e 3).

Confesso que quando botei a mão no DVD saudosista, antes mesmo de ver quais os jogos estavam presentes ou quais eram os extras, a primeira reação foi procurar o Streets of Rage 1. E é incrível como esse jogo, mesmo 20 anos depois, continua tão gostoso de jogar.

Ambientação

Sreets of Rage é um jogo antigo, de uma época onde não precisávamos de muito motivo pra querer sair socando todo mundo. Em todo caso, a história do game conta a trajetória de três ex-policiais que abandonam a corporação e saem pra acabar com o crime nas ruas “na porrada”, desafiando a gangue do malvado Mr. X (clichê o suficiente?).

Gameplay


Streets of Rage ou Bare Knuckle, seu nome no japão, é um clássico Beat ‘em Up lançado em 1991 nos moldes de Final Fight, Double Dragon e tantos outros. Aliás, eu tenho pra mim que ele é uma cópia bem descarada do Final Fight, lançado em 1989, com alguns elementos de jogo (número de personagens, mecânica do jogo, armas que aparecem no chão, itens de cura) e design de personagens bem parecidos.

Porém, alguns elementos colocam, na minha opinião, o jogo da Sega à frente, principalmente no quesito “momento WTF!?!”. É praticamente impossível para um jogador iniciante no Streets of Rage não ter começado a sua experiência apertando o botão A do controle como seu primeiro “movimento”. Em praticamente qualquer jogo, o botão A daria um golpe normal… um pulo… talvez até um golpe especial, daqueles que sugam parte da energia do personagem. Mas não em Streets of Rage! Nesse jogo, o botão A aciona um “Striker” da maneira mais bizarra possível: um carro de polícia vem do nada e dispara um (ou vários, se você for o player 2) tiro de bazuca que atinge todos os inimigos da tela, sem direito a defesa.

Apesar de apelão, o movimento só pode ser acionado uma vez por “vida”, a menos que você encontre o raríssimo Power Up que permite um novo tiro.

Apresentação

Impecável. Streets of Rage possui gráficos num nível de detalhamento correto para a plataforma que foi desenvolvido, nem mais, nem menos. Os cenários representam bem as ruas de uma cidade grande, com direito a neon, calçadas e paredes quebradas, luzes coloridas ao fundo e até praias sujas.

Os modelos dos personagens, se não são muito originais, ao menos são feitos com bastante cuidado.  Seguem aquele padrão clássico dos beat ‘em ups clássicos: meia dúzia de modelos, coloridos de forma diferente indicando maior ou menor força/dificuldade.

E o som… Digamos que na minha coleção de MP3 nunca pode faltar ao menos uma das músicas presentes no jogo, geralmente a versão original de Fighting in the Streets, da primeira fase do jogo. Recentemente tenho escutado bastante um medley de Go Straight (Streets of Rage 2) e Moon Beach (Streets of Rage 1) remixado pelo Eric Fraga (faça um favor a si mesmo e conheça o trabalho do cara aqui).

A trilha sonora foi criada por Yuzo Koshiro (que recentemente andou trabalhando em alguns RPGs para Nintendo DS como Etrian Odyssey 3, e 7th Dragon) remete àquele dance frenético do começo dos anos 90, flertando também com o jazz e o lounge em alguns momentos. São músicas que, depois de você ouvir por alguns minutos, já estará inevitavelmente as cantarolando. Papo sério.

A única falha, na minha opinião, são as vozes. E isso nem é tanto culpa dos desenvolvedores de Streets of Rage, e sim da plataforma, já que a parte de som digitalizado no Mega Drive sempre foi bem fraquinha. Mas depois de algum tempo jogando você se acostuma e nem nota mais os gritos de gato-robô das mulheres do jogo.

Considerações Finais

Streets of Rage é um daqueles poucos jogos que passam pela regra dos 15 anos. Beat ‘em up puro e simples, se esquemas de avanço de nível, sem combos complicados, mas ainda assim um excelente jogo. Os gráficos são bem competentes, tanto que conseguem não ficar grotescos até hoje, e as músicas são todas espetaculares e viciantes.

Se houver a possibilidade de jogar com um amigo, jogue. O jogo possui um final (ruim) alternativo só disponível para o modo de dois jogadores, se antes da batalha final um dos jogadores decidir aliar-se ao Sr. X. As novas versões (PS3 e XBOX 360) presentes na coletânea da Sega permitem a jogatina online, mas recomendo que seja jogado na sala de casa, de preferência tomando aquele refri e comendo o seu salgadinho da Elma Chips predileto.

Enfim, jogo recomendadíssimo sempre e garanto que daqui uns 10 anos ainda vou estar falando dele.

Edit (15,mar 2011): O jogo também está disponível desde janeiro de 2011 para PC. Uma das formas de comprá-lo é pelo Steam, ou individualmente ou no pacote Sega Mega Drive Classics 4, junto com alguns outros clássicos como Streets of Rage 2 e Shining Force. Para quem acha errado usar emuladores está aí uma excelente oportunidade de reviver esse clássico.

Streets of Rage é nativo do Mega Drive, mas pode ser encontrado em diversas outras plataformas, desde “demakes” para Game Gear e Master System – não recomendados – até ports mais fiéis para Sega CD, XBOX 360, PS3 e PC Windows e iOS (iPhone, iPod e iPad)