Super Meat Boy – Simples, porém Complicado

Eu costumo dizer que essa nova geração, além de trazer gráficos ultra-realistas e interatividade online num nível nunca antes visto, serviu para uma volta mais que merecida dos jogos 2d. Depois da geração 16 bits (Mega Drive e Super Nintendo), os jogos 2d foram jogados cada vez mais para escanteio, sendo aproveitados praticamente só em jogos de luta (principalmente os da série King of Fighters) .

Eu não sei dizer ao certo o que contribuiu com a volta dos jogos 2d: o sucesso de plataformas móveis como o DS e o iPhone, a explosão do surgimento de desenvolvedores independentes ou simplesmente aquele lance das tendências de moda que voltam de tempos em tempos. Bem, não importa; fato é que das cabeças desses desenvolvedores independentes surgiram pérolas como Braid, World of Goo e o viciante e ultra difícil Super Meat Boy.

Super Meat Boy (desenvolvido pela Team Meat, 2010 para PC e XBOX Live Arcade) é uma versão revisada e ampliada de Meat Boy de 2008.

Só falando um pouco de Meat Boy, ele é um jogo em Flash de plataforma que aos poucos foi conquistando mais e mais fãs. É incrível pensar que um joguinho tão bem feito tenha sido desenvolvido por apenas duas pessoas (Edmund McMillen e Johnathan McEntee). Meat Boy foi inicialmente disponibilizado no site Newgrounds, um verdadeiro sugador de produtividade (se você acessá-lo do seu trabalho), que sempre trouxe excelentes jogos casuais em Flash.

Enfim, falemos de Super Meat Boy

Ambientação

A história de Super Meat Boy é bem simples: Meat Boy e sua namorada Bandage Girl (algo como “a Garota Curativo/Band-Aid”, em tradução livre) se amavam e viviam felizes… Mas o maligno Dr. Fetus (um feto numa armadura robótica), que não tem nenhum amigo e portanto é um ser muito infeliz, sequestra Bandage Girl. Como em 99% dos clássicos jogos de plataforma, o objetivo de Meat Boy é derrotar Dr. Fetus e salvar sua amada.

Gameplay


Super Meat Boy é um jogo de plataforma com uma mecânica bem simples: Meat Boy somente corre e pula. Mas o fato da mecânica do jogo ser simples não quer dizer que ele seja fácil. Ele não é. E digo mais, se você jogar Super Meat Boy você vai morrer mais de uma vez. Você vai morrer mais de 50 vezes e, sem exagero nenhum, posso falar que você vai morrer mais de 200 vezes.

Em Super Meat Boy, praticamente tudo mata o nosso simpático herói de carne: serras, pilhas de lixo hospitalar, montanhas de sal, etc. Apesar de o jogo contar com vidas infinitas (salvo algumas exceções comentadas mais adiante), as fases não têm checkpoint, ou seja: Se você morre numa fase, volta para o começo dela. E a graça é justamente essa: ele é um jogo tão desafiador, com fases tão difíceis, que incentivam você a tentar de novo e de novo até conseguir passar da fase que está jogando. E para premiar o seu esforço, ao término de cada fase rola um replay com todas as suas mortes, rolando em paralelo como se fossem vários Meat Boys fazendo a fase ao mesmo tempo.

Claro, se toda essa dificuldade não for suficiente pra você, ainda há o modo “Dark World” das fases, onde a dificuldade é aumentada ainda mais.

Uma das coisas mais legais de Super Meat Boy são as Warp Zones: ao entrar nelas, o jogador é transportado para fases com referências diretas a plataformas retrô, com gráficos mais simplificados e música em chiptune no melhor estilo NES. E é claro, se é para replicar o feeling dos jogos antigos, por quê não limitar as vidas do jogador, só pra tornar a parada toda mais divertida, heim?

Super Meat Boy conta ainda com personagens desbloqueáveis, que são obtidos ou por pegar uma certa quantidade de “band-aids” nas fases ou por passar as fases bonus dos Warp-Zones. E esses personagens secretos são um destaque a parte, pois vêm de outros jogos (em sua maioria independentes). Destaques para Tim (de Braid, exclusivo da versão de X BOX 360), Head Crab (de Half Life, só na versão de PC), a Goo Ball (do World of Goo, também exclusivo da versão de PC), Pink Knight (de Castle Crashers, exclusivo para o X BOX) e The Kid (de I Wanna Be The Guy, um joguinho de PC praticamente impossível de terminar).

Apresentação

Os gráficos de Super Meat Boy são na medida certa para o que ele propõe. São gráficos 2d, bem com aquela cara de animação frenética em Flash, com gráficos simples, coloridos e, de certa forma, toscos. Animações rápidas e muito, muito sangue. Os efeitos de iluminação são bem interessantes, principalmente quando determinada plataforma se quebra e a luz começa a “vazar” por ela.

Super Meat Boy traz animações divertidas no início de cada capítulo, que fazem referência a clássicos do mundo dos games, como Street Fighter 2, Mega Man 2 e Castlevania. Além dessas animações, as que são apresentadas no final de cada capítulo também são bem engraçadas, lembrando o humor negro aliado ao “fofo” dos clássicos desenhos “Happy Tree Friends”

A trilha sonora criada por Danny Baranowsky (com sua empresa dB Soundworks) merece uma atenção especial. Acho que desde Mega Man 2 não ouvia algo tão bom em um jogo – sério! As músicas misturam Drum n’ Bass, Heavy Metal, Dance, Música Clássica (daquelas bem de filmes Hollywoodianos), e Techno, num ritmo louco! Músicas muito boas para ouvir enquanto trabalho ou dirijo – aliás, as músicas de Super Meat Boy já estão no meu pen drive há mais de 3 meses – ouço quase todo dia e não consigo enjoar.

Foi a primeira vez na minha vida que gastei dinheiro comprando a trilha sonora de um jogo e valeu bem a pena – $ 3,99 por todas as músicas do jogo, mais algumas versões remixadas muito boas. Recomendo.

Considerações Finais

Super Meat Boy é um dos maiores representantes da nova (e excelente) safra de jogos independentes que está dando um ar diferente para essa nova geração. É um jogo de plataforma com mecânica simples, porém extremamente difícil, recomendado principalmente para aquele pessoal que gostava de terminar o Super Mario World com 100% das fases completas, ou que passava horas jogando Kid Chameleon no Mega Drive só pra terminar sem pegar nenhum Warp-Zone.

Links

Super Meat Boy é um jogo da Team Meat, disponível via download na XBOX Live Arcade e no Steam (para PC). Maldita Sony que não deu atenção pra Team Meat quando eles levaram o jogo para apresentar.

Anúncios